9 de jan de 2012

Amor, amor, amor...

A palavra amor, no grego antigo, tinha três sentidos: eros - relacionado ao sexo; philos - relacionado aos entes queridos; e ágape - relacionado ao amor de Deus.

Já no hebraico, a palavra amor, ahava, é isenta de qualquer sentimento.
Nos originais do Antigo Testamento, a palavra amor trata de uma atitude relacionada à fé. Significa entrega, incondicional, da vida à pessoa amada para sempre, sem direito ao divórcio. Difícil? É difícil quando o amor envolve os sentimentos do coração.
Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda a tua força. e Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Marcos 12.30,31
O amor cobrado nos dois primeiros mandamentos da Lei de Deus não tem nada a ver com o tipo de amor referido nos antigos escritos gregos. Os originais do Novo Testamento foram escritos em grego, mas a expressão do amor ali tratado conserva o mesmo espírito dos originais hebraicos do Antigo Testamento.
Se tratássemos o amor como um sentimento do coração, como sugerem os antigos escritos gregos, não seria possível amar Alguém Invisível, já que o coração precisa ver para sentir. Há sentido nisso?
O ahava, exigido na Lei de Deus, está associado à certeza absoluta. Isto é, à fé. Como certeza do que se espera e convicção do que não se vê - a fé prática - é capaz de levar uma pessoa a entregar-se a Alguém Invisível e Desconhecido. Essa oferta ultrapassa os limites dos sentimentos do coração, por mais sublimes que sejam. Porque trata da razão.
Abraão creu em Deus. Sua crença nAquela Voz foi suficiente para obedecê-La. Por conta disso, foi considerado justo ou sem pecado diante de Deus, ao ponto de até ser chamado de amigo de Deus. Tiago 2.23.
Esse é o tipo de amor que o Criador espera da criatura.

Nenhum comentário: