11 de dez de 2011

2° dia do Jejum de Daniel - Línguas estranhas.

Quando se fala em batismo no Espírito Santo logo vem à mente crente o falar em línguas.
Não há sede de Deus, nem desejo de mudar de vida e muito menos em querer servir como templo do Espírito de Deus. Mas só vontade de falar em línguas.
Essa cobiça "santa" não tem nada a ver com Deus. Antes, é pura manifestação de vaidade estimulada por espíritos enganadores. Estes pegam carona no espírito da emoção, e se aproveitam para iludir os incautos com sensações estranhas que culminam em falas estranhas.

É por isso que muitos estão na onda do cai-cai e do andar de quatro, como leão de zoológico.
Essas e outras aberrações têm acontecido justamente por falta do Espírito da Verdade.

O desejo do batismo no Espírito Santo não pode, em hipótese nenhuma, ter como objetivo o falar em línguas. Se falar, a exemplo bíblico, amém. Se não falar, qual o problema? O Espírito de Deus não está sujeito às línguas estranhas. A falta do falar em línguas não pode servir como motivo de dúvida para o impedimento da ação Divina.
O batismo no Espírito Santo não é para falar em línguas, mas para habilitar os servos de Deus a fazerem Sua vontade e realizarem Sua obra.
Além disso, num mundo podre e hipócrita, repleto de ofertas camufladas do inferno, como discernir o bem e o mal?
Como saber quem é quem para namorar e casar, segundo a vontade de Deus?
Em qual área profissional serei mais útil no Reino de Deus?
Qual igreja é de Deus?
Como discernir o falso do verdadeiro homem de Deus, se todos falam ou pregam em Sua Palavra?
Como separar o joio do trigo?
Como reconhecer a voz de Deus e a do diabo?

Essas e outras dúvidas são claramente dirimidas com a direção do Espírito Santo.
Quem melhor do que Ele para guiar Seus filhos a toda a verdade?
O Senhor Jesus disse: “ …quando vier, porém, o Espírito da Verdade, Ele vos guiará a toda a verdade…” João 16.13

Ó meu Deus e meu Pai, em o Nome do Senhor Jesus, guarda Teu povo dos espíritos do anticristo e do engano.

Nenhum comentário: