12 de dez de 2011

Nos passos de Jesus - 1° parte.

"No princípio, criou Deus os céus e a terra. A terra, porém, estava sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo, e o Espírito de Deus pairava por sobre as águas."
Nosso grande desejo é, através deste livro, trazer a lume a origem da razão pela qual tanta gente vem sofrendo e fazendo outros sofrerem neste velho mundo, indicando também a saída para os variados tipos de problemas vividos pelas pessoas. Além disso, despertar a fé do leitor, a fim de vir a participar de tudo o quanto tem direito, diante de Deus-Pai, através do nome do Senhor Jesus Cristo, por obra e graça do Espírito Santo. 

Verificamos nos dois primeiros versículos do livro de Gênesis, sobre a criação, a existência de algo que à primeira vista parece um tanto incoerente: no primeiro, afirma-se que Deus criou os céus e a Terra e, logo em seguida, que a Terra era sem forma e vazia...
Ora, como podemos compreender que Deus tenha criado algo sem forma e vazio? E, se Ele assim o fez, por quê? Qual a finalidade?


De fato, quando Deus, no princípio, criou os céus e a Terra, eles eram tão perfeitos quanto Ele próprio. Isso é muito óbvio, pois sendo obra de Suas mãos, nada poderia sair com falhas ou defeitos, haja vista ser Ele Deus e não homem. Para Ele não existem limites, dada a Sua onipotência, onipresença e onisciência:

"... porque só o seu nome é excelso; a sua majestade é acima da terra e do céu." Salmos 148.13
Nunca e jamais poderemos achar no nosso Deus alguma imperfeição, pois está escrito:

"Quem na concha de sua mão mediu as águas e tomou a medida dos céus a palmos? Quem recolheu na terça parte de um efa (aproximadamente 35 litros) o pó da terra e pesou os montes em romana (espécie de balança) e os outeiros em balança de precisão? Quem guiou o Espírito do Senhor? Ou, como seu conselheiro, o ensinou? Com quem tomou ele conselho, para que lhe desse compreensão? Quem o instruiu na vereda do juízo, e lhe ensinou sabedoria, e lhe mostrou o caminho de entendimento? Eis que as nações são consideradas por ele como um pingo que cai de um balde e como um grão de pó na balança; as ilhas são como pó fino que se levanta. Nem todo o Líbano basta para queimar, nem os seus animais, para um holocausto. Todas as nações são perante ele como coisa que não é nada; ele as considera menos do que nada, como um vácuo. Com quem comparareis a Deus? Ou que coisa semelhante confrontareis com ele?" Isaías 40.12-18
Tudo isso mostra apenas uma nuance de quem é realmente Deus; nossa mente nunca poderá receber toda a Sua majestade, poder e glória, pois somos infinitamente limitados. Essa é a razão pela qual acreditamos piamente que, quando ele criou os céus e a Terra, estes eram perfeitos como Ele o é.

Via: exercitouniversal.com.br



Nenhum comentário: